segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Eras Geológicas

Eras Geológicas
Divisão das eras geológicas e suas principais características
As eras geológicas são divisões da escala de tempo geológico que podem ser subdivididos em períodos e épocas a fim de se conhecer a longa vida do planeta. As eras são caracterizadas pelas formas em que os continentes e os oceanos se distribuíam e pelos seres viventes que neles se encontravam.


 

A  idade da Terra – Eras Geológicas
A idade da Terra é calculada em 4,6 bilhões de anos, sendo o ser humano o último ser vivo a surgir, dificultando-se assim o estudo do processo evolutivo terrestre. Porem, pelos fósseis e pelas rochas é possível deduzir etapas de tal processo.
       O estudo da idade da Terra é ilustrado de várias maneiras para nos dar a idéia de tempo que corresponde a 4,6 bilhões de anos.
Idade da Terra
       Classificação de KULP
      A classificação mais utilizada e a de Kulp (1960), que divide a idade em eras (Pré-Cambriana, Paleozóica, Mesozóica e Cenozóica), períodos e épocas

Era Pré-Cambriana
       Denominada também de era Primitiva;
       É a era mais extensa
(durou cerca de 3,1 bilhões de anos)
       Apresenta o predomínio de granito e gnaisse, tendo pouco vestígio de vida
       Presume-se que tenham existido animais e plantas rudimentares
Gnaisse
       O Pré-Cambriano está compreendido entre o aparecimento da Terra, há cerca de 4,5 bilhões de anos, até o surgimento de uma larga quantidade de fósseis, que marca o início do período Cambriano da era Paleozóica, há cerca de 540 milhões de anos.
       Sabe-se pouco do pré-cambriano, apesar de corresponderem a sete oitavos da vida da Terra, já que as modificações a que a crosta terrestre foi submetida posteriormente dificultam a interpretação dos vestígios deste. A maioria dos conhecimentos atuais deve-se a descobertas efetuadas nas últimas quatro ou cinco décadas. Foi durante o Pré-Cambriano que os eventos mais importantes da história da Terra aconteceram:
Eventos mais importantes
do Pré-Cambriano
       o início do movimento das placas tectônicas;
       o início da vida na Terra;
       o aparecimento das primeiras células eucarióticas;
       a formação da atmosfera;
       o aparecimento dos primeiros animais e vegetais.




Fóssil de, um artrópode ou anelídeo encontrado na Austrália, era Pré-cambriana


Subdivisão do Pré-Cambriano
       Arqueozóico
       Proterozóico
Arqueozóico
       É o éon que está compreendido aproximadamente entre 3,85 bilhões de anos e 2,5 bilhões de anos atrás.
       Apresenta rochas graníticas
       Solos de fertilidade mediana
       Pobre em recursos minerais
       A vida provavelmente esteve presente por todo o Arqueano, mas deve ter sido limitada a simples organismos unicelulares
       As serras do Mar, da Mantiqueira e grande parte dos planaltos residuais norte - amazônicas (ex Planalto das Guianas) corresponde a terrenos arqueozóicos.
Serra do Mar é constituída principalmente de granitos e gnaisse pré-cambriano


Monte Roraima – período Arqueozóico da era pré-cambriana



Proterozóico
       É o éon que está compreendido entre 2,5 bilhões e 542 milhões de anos, abrangendo quase metade do tempo de existência da Terra
       É rico em minérios de ferro, cobre, chumbo, ouro, prata, etc.
       Serra do Espinhaço, no quadrilátero Ferrífero, é constituída de terrenos alonquianos assim como a serra de Carajás (PA), o Maciço de Urucum (MS) e a Chapada da Diamantina
       Serra de Carajás, Chapada de Diamantina – período Proterozóico – era pré-cambriana

Era Paleozóica
Subdivisão da era Paleozóica   
-      Cambriano
-           Ordoviciano
-           Siluriano
-           Devoniano
-           Carbonífero
-           Permiano
Era Paleozóica
       compreendida entre 540 milhões e 245 milhões de anos atrás
       No seu começo houve uma grande diversificação evolutiva dos animais
       Já no extremo oposto do Paleozoico ocorreu a extinção maciça, a maior da história da vida na Terra, que extinguiu aproximadamente 90% de todas as espécies animais marinhas. As causas de ambos estes eventos ainda não são bem conhecidas.
Os trilobitas foram animais típicos do paleozoico, mas acabaram por desaparacer na grande extinção permiana.



       No Paleozóico ocorreu intensos processo de sedimentação que deram origem a varias rochas sedimentares e metamórficas.
       Surgimento de varias formas de vida animal e vegetal
(Principalmente no ambiente marinho)
       No Paleozóico Superior, ocorreram as últimas glaciações no território brasileiro

A era Paleozóica no Brasil
       Na era Paleozóica ocorreu no território brasileiro intensa sedimentação em varias regiões, o que determinou a formação de vários planaltos, o início da Planície Amazônica e a Depressão da Amazônia ocidental



Pangéia
       Durante as eras Pré-Cambriana e Paleozóica, os continentes apresentavam configurações diferentes da atual estavam unidos, formando um gigantesco continente denominado de Pangéia, envolvidos por um grande oceano denominado de Pantalassa. A porção correspondente à America do Sul, África, Antártica e Índia denomina-se Gondwana

ERA MESOZÓICA
Subdivisão em três Períodos
-          Triássico
-          Jurássico
-          Cretáceo
Era Mesozóica
       Teve uma duração de cerca de 150 milhoes de anos
       está compreendida entre 251 milhões e 65,5 milhões de anos atrás, aproximadamente
       O nome Mesozoico é de origem grega e refere-se a 'meio animal'
Esta era é especialmente conhecida pelo aparecimento, domínio e desaparecimento dos dinossauros, amonites e plantas com flor
       Teve uma duração de cerca de 150 milhoes de anos
       está compreendida entre 251 milhões e 65,5 milhões de anos atrás, aproximadamente
       O nome Mesozoico é de origem grega e refere-se a 'meio animal'
       Esta era é especialmente conhecida pelo aparecimento, domínio e desaparecimento dos dinossauros, amonites e plantas com flor
       No início desta era, toda a superfície terrestre se concentrava num único continente chamado Pangéia (ou Pangea). Porém com o tempo este supercontinente começou a fragmentar-se em dois continentes: a Laurásia para o Hemisfério Norte e o Gondwana para o Sul.
               
       Esta foi uma era onde dominaram répteis como os dinossauros, pterossauros e plesiossauros.
       Durante o Mesozoico estes animais conquistaram a Terra e desapareceram mais tarde de forma misteriosa, sendo a causa mais provável a colisão da terra com meteorito, sendo estimada como a segunda maior extinção em massa da terra.
Arenito Botucatu
       Todas as lagoas do permiano vao evaporar, restando sedimentos arenosos, depositados por processos fluviais e eólicos, na região onde está o continente sul-americano no local da cidade de Botucatu, durante os períodos Triássico e Jurássico dão origem ao arenito que vão formar o Aquífero Guarani
O maior vulcão da história da Terra
Com a separação de Gonwana determinou o surgimento de fossas tectônicas na África e no Centro-Sul do Brasil, fendas enormes e numerosas denominadas de Diatrofismo
Rético.
Pelos Diatrofismo Rético, ocorreu o maior derrame de lavas vulcânicas do Planeta, recobrindo bacias sedimentares paleozóicas desde o sul de Minas Gerais até o Uruguai. As lavas vulcânicas originaram a terra-roxa, de grande fertilidade. Esse derrame basáltico, denominado Derrame de Trapp, iniciou-se no fim do Triássico e prolongou-se até o Cretáceo, o qual  vai dar origem ao aquifero Guarani
Aquífero Guarani. Uma Bacia Gigantesca
Formação do Aquífero Guarani
Há cerca de 150 milhões de anos, nossa região era um enorme deserto. Um intenso vulcanismo provocou o derramamento de lavas, cobrindo a maior parte de suas areias. Ao se resfriarem, as lavas se solidificaram formando uma rocha dura chamada basalto.
O peso do basalto compactou e agregou as areias do antigo deserto até formar uma rocha porosa chamada arenito. O arenito ficou comprimido debaixo do basalto, restando apenas algumas bordas descobertas, denominadas áreas de afloramento ou de recarga. Por ali, as águas das chuvas passaram a penetrar lentamente no antigo deserto ao longo de milhões de anos, formando o reservatório de águas subterrâneas chamado Aqüífero Guarani.
Ao contrário do que muitos pensam, a água do aqüífero não corre como um rio no subsolo. Ela está embebida em uma camada de arenito, que funciona como uma esponja, absorvendo as águas da chuva que se infiltram. O reservatório subterrâneo é constituído pelos espaços vazios ou poros das rochas, onde a água é armazenada e circula muito lentamente.

O aqüífero é continuamente abastecido pela infiltração das águas da chuva na área de afloramento. Por isso, esta área é a mais vulnerável e deve ser especialmente protegida para evitar a contaminação dos depósitos subterrâneos.

Era Cenozóica
      Subdivisão da era Cenozóica
-          Período Terciário (69 milhões)
-          Épocas:
-          Paleoceno
-          Eoceno
-          Oligoceno
-          Mioceno
-          Plioceno
-          Período Quaternário (1 milhão)
-          Épocas
-          Pleistoceno
-          Holoceno (atual)

Era Cenozóica (do grego – ‘vida recente’)
       Teve 70 milhões de duração.
       Nessa era, verificou-se a presença dos mamíferos e a forma atual dos continentes.
       O princípio da Era Cenozoica marca a abertura do capítulo mais recente da história da Terra.
       Houve muita atividade vulcânica e formaram-se os grandes maciços montanhosos do mundo, como os Andes, os Alpes e o Himalaia. A vida animal transformou-se lentamente no que hoje se conhece

Andes, Himalaia, Alpes, Rochosas – dobramentos formados na Era Cenozóica – Período Terciário





Período Terciário
       Teve duração de 69 milhões de anos
       Dividida em épocas (Paleoceno, Eoceno, Oligoceno, Mioceno e Plioceno)
       Nesse período ocorreu a formação das maiores cadeias de montanhas: Himalaia, Andes, Rochosas, Alpes e outras
       No Brasil verifica-se a sedimentação de grande parte do litoral.
       A formação de 90% das terras firmes da Amazônia

Período Quaternário
       Apresenta duração de 1 milhão de anos.
       Abrange duas épocas – Pleistoceno e Holoceno.
       No pleistoceno a Terra já é bem semelhante ao atual, porém passa por períodos de glaciação, aonde as calotas polares se estendem até as regiões próximas dos trópicos (períodos conhecidos como "eras do gelo"), intercalados por períodos mais quentes. A última dessas "eras do gelo" terminou em torno de 12.000 anos atrás dando início ao Holoceno, que é a atual época em que vivemos atualmente, e extinguindo os animais que se adaptaram a viver com essas eras do gelo.
                              
Homem
       Datam do Pleistoceno os mais antigos restos do homem (cerca de 450.000 anos). Acredita-se que o mais antigo deles seja o Homo heidelbergensis.
       No Pleistoceno inferior vivem hominídeos vários: Australopithecus, da África do Sul; Pithecanthropus erectus ou homem de Java; Sinanthropus pekinensis ou homem de Pequim.
Período Quaternário no Brasil
       No Brasil, verifica-se a sedimentação final do Pantanal Mato-grossense, a formação do litoral do Rio Grande do Sul e da Bacia Sedimentar de Curitiba
Eras Geológicas
Divisão das eras geológicas e suas principais características
As eras geológicas são divisões da escala de tempo geológico que podem ser subdivididos em períodos e épocas a fim de se conhecer a longa vida do planeta. As eras são caracterizadas pelas formas em que os continentes e os oceanos se distribuíam e pelos seres viventes que neles se encontravam.
A  idade da Terra – Eras Geológicas
A idade da Terra é calculada em 4,6 bilhões de anos, sendo o ser humano o último ser vivo a surgir, dificultando-se assim o estudo do processo evolutivo terrestre. Porem, pelos fósseis e pelas rochas é possível deduzir etapas de tal processo.
       O estudo da idade da Terra é ilustrado de várias maneiras para nos dar a idéia de tempo que corresponde a 4,6 bilhões de anos.
Idade da Terra
       Classificação de KULP
      A classificação mais utilizada e a de Kulp (1960), que divide a idade em eras (Pré-Cambriana, Paleozóica, Mesozóica e Cenozóica), períodos e épocas

Era Pré-Cambriana
       Denominada também de era Primitiva;
       É a era mais extensa
(durou cerca de 3,1 bilhões de anos)
       Apresenta o predomínio de granito e gnaisse, tendo pouco vestígio de vida
       Presume-se que tenha existido animais e plantas rudimentares
Gnaisse
       O Pré-Cambriano está compreendido entre o aparecimento da Terra, há cerca de 4,5 bilhões de anos, até o surgimento de uma larga quantidade de fósseis, que marca o início do período Cambriano da era Paleozóica, há cerca de 540 milhões de anos.
       Sabe-se pouco do pré-cambriano, apesar de corresponderem a sete oitavos da vida da Terra, já que as modificações a que a crosta terrestre foi submetida posteriormente dificultam a interpretação dos vestígios deste. A maioria dos conhecimentos atuais deve-se a descobertas efetuadas nas últimas quatro ou cinco décadas. Foi durante o Pré-Cambriano que os eventos mais importantes da história da Terra aconteceram:
Eventos mais importantes
do Pré-Cambriano
       o início do movimento das placas tectônicas;
       o início da vida na Terra;
       o aparecimento das primeiras células eucarióticas;
       a formação da atmosfera;
       o aparecimento dos primeiros animais e vegetais.




Fóssil de, um artrópode ou anelídeo encontrado na Austrália, era Pré-cambriana


Subdivisão do Pré-Cambriano
       Arqueozóico
       Proterozóico
Arqueozóico
       É o éon que está compreendido aproximadamente entre 3,85 bilhões de anos e 2,5 bilhões de anos atrás.
       Apresenta rochas graníticas
       Solos de fertilidade mediana
       Pobre em recursos minerais
       A vida provavelmente esteve presente por todo o Arqueano, mas deve ter sido limitada a simples organismos unicelulares
       As serras do Mar, da Mantiqueira e grande parte dos planaltos residuais norte - amazônicas (ex Planalto das Guianas) corresponde a terrenos arqueozóicos.
Serra do Mar é constituída principalmente de granitos e gnaisse pré-cambriano


Monte Roraima – período Arqueozóico da era pré-cambriana



Proterozóico
       É o éon que está compreendido entre 2,5 bilhões e 542 milhões de anos, abrangendo quase metade do tempo de existência da Terra
       É rico em minérios de ferro, cobre, chumbo, ouro, prata, etc.
       Serra do Espinhaço, no quadrilátero Ferrífero, é constituída de terrenos alonquianos assim como a serra de Carajás (PA), o Maciço de Urucum (MS) e a Chapada da Diamantina
       Serra de Carajás, Chapada de Diamantina – período Proterozóico – era pré-cambriana

Era Paleozóica
Subdivisão da era Paleozóica   
-      Cambriano
-           Ordoviciano
-           Siluriano
-           Devoniano
-           Carbonífero
-           Permiano
Era Paleozóica
       compreendida entre 540 milhões e 245 milhões de anos atrás
       No seu começo houve uma grande diversificação evolutiva dos animais
       Já no extremo oposto do Paleozoico ocorreu a extinção maciça, a maior da história da vida na Terra, que extinguiu aproximadamente 90% de todas as espécies animais marinhas. As causas de ambos estes eventos ainda não são bem conhecidas.
Os trilobitas foram animais típicos do paleozoico, mas acabaram por desaparacer na grande extinção permiana.



       No Paleozóico ocorreu intensos processo de sedimentação que deram origem a varias rochas sedimentares e metamórficas.
       Surgimento de varias formas de vida animal e vegetal
(Principalmente no ambiente marinho)
       No Paleozóico Superior, ocorreram as últimas glaciações no território brasileiro

A era Paleozóica no Brasil
       Na era Paleozóica ocorreu no território brasileiro intensa sedimentação em varias regiões, o que determinou a formação de vários planaltos, o início da Planície Amazônica e a Depressão da Amazônia ocidental



Pangéia
       Durante as eras Pré-Cambriana e Paleozóica, os continentes apresentavam configurações diferentes da atual estavam unidos, formando um gigantesco continente denominado de Pangéia, envolvidos por um grande oceano denominado de Pantalassa. A porção correspondente à America do Sul, África, Antártica e Índia denomina-se Gondwana

ERA MESOZÓICA
Subdivisão em três Períodos
-          Triássico
-          Jurássico
-          Cretáceo
Era Mesozóica
       Teve uma duração de cerca de 150 milhoes de anos
       está compreendida entre 251 milhões e 65,5 milhões de anos atrás, aproximadamente
       O nome Mesozoico é de origem grega e refere-se a 'meio animal'
Esta era é especialmente conhecida pelo aparecimento, domínio e desaparecimento dos dinossauros, amonites e plantas com flor
       Teve uma duração de cerca de 150 milhoes de anos
       está compreendida entre 251 milhões e 65,5 milhões de anos atrás, aproximadamente
       O nome Mesozoico é de origem grega e refere-se a 'meio animal'
       Esta era é especialmente conhecida pelo aparecimento, domínio e desaparecimento dos dinossauros, amonites e plantas com flor
       No início desta era, toda a superfície terrestre se concentrava num único continente chamado Pangéia (ou Pangea). Porém com o tempo este supercontinente começou a fragmentar-se em dois continentes: a Laurásia para o Hemisfério Norte e o Gondwana para o Sul.
               
       Esta foi uma era onde dominaram répteis como os dinossauros, pterossauros e plesiossauros.
       Durante o Mesozoico estes animais conquistaram a Terra e desapareceram mais tarde de forma misteriosa, sendo a causa mais provável a colisão da terra com meteorito, sendo estimada como a segunda maior extinção em massa da terra.
Arenito Botucatu
       Todas as lagoas do permiano vao evaporar, restando sedimentos arenosos, depositados por processos fluviais e eólicos, na região onde está o continente sul-americano no local da cidade de Botucatu, durante os períodos Triássico e Jurássico dão origem ao arenito que vão formar o Aquífero Guarani
O maior vulcão da história da Terra
Com a separação de Gonwana determinou o surgimento de fossas tectônicas na África e no Centro-Sul do Brasil, fendas enormes e numerosas denominadas de Diatrofismo
Rético.
Pelos Diatrofismo Rético, ocorreu o maior derrame de lavas vulcânicas do Planeta, recobrindo bacias sedimentares paleozóicas desde o sul de Minas Gerais até o Uruguai. As lavas vulcânicas originaram a terra-roxa, de grande fertilidade. Esse derrame basáltico, denominado Derrame de Trapp, iniciou-se no fim do Triássico e prolongou-se até o Cretáceo, o qual  vai dar origem ao aquifero Guarani
Aquífero Guarani. Uma Bacia Gigantesca
Formação do Aquífero Guarani
Há cerca de 150 milhões de anos, nossa região era um enorme deserto. Um intenso vulcanismo provocou o derramamento de lavas, cobrindo a maior parte de suas areias. Ao se resfriarem, as lavas se solidificaram formando uma rocha dura chamada basalto.
O peso do basalto compactou e agregou as areias do antigo deserto até formar uma rocha porosa chamada arenito. O arenito ficou comprimido debaixo do basalto, restando apenas algumas bordas descobertas, denominadas áreas de afloramento ou de recarga. Por ali, as águas das chuvas passaram a penetrar lentamente no antigo deserto ao longo de milhões de anos, formando o reservatório de águas subterrâneas chamado Aqüífero Guarani.
Ao contrário do que muitos pensam, a água do aqüífero não corre como um rio no subsolo. Ela está embebida em uma camada de arenito, que funciona como uma esponja, absorvendo as águas da chuva que se infiltram. O reservatório subterrâneo é constituído pelos espaços vazios ou poros das rochas, onde a água é armazenada e circula muito lentamente.

O aqüífero é continuamente abastecido pela infiltração das águas da chuva na área de afloramento. Por isso, esta área é a mais vulnerável e deve ser especialmente protegida para evitar a contaminação dos depósitos subterrâneos.

Era Cenozóica
      Subdivisão da era Cenozóica
-          Período Terciário (69 milhões)
-          Épocas:
-          Paleoceno
-          Eoceno
-          Oligoceno
-          Mioceno
-          Plioceno
-          Período Quaternário (1 milhão)
-          Épocas
-          Pleistoceno
-          Holoceno (atual)

Era Cenozóica (do grego – ‘vida recente’)
       Teve 70 milhões de duração.
       Nessa era, verificou-se a presença dos mamíferos e a forma atual dos continentes.
       O princípio da Era Cenozoica marca a abertura do capítulo mais recente da história da Terra.
       Houve muita atividade vulcânica e formaram-se os grandes maciços montanhosos do mundo, como os Andes, os Alpes e o Himalaia. A vida animal transformou-se lentamente no que hoje se conhece

Andes, Himalaia, Alpes, Rochosas – dobramentos formados na Era Cenozóica – Período Terciário





Período Terciário
       Teve duração de 69 milhões de anos
       Dividida em épocas (Paleoceno, Eoceno, Oligoceno, Mioceno e Plioceno)
       Nesse período ocorreu a formação das maiores cadeias de montanhas: Himalaia, Andes, Rochosas, Alpes e outras
       No Brasil verifica-se a sedimentação de grande parte do litoral.
       A formação de 90% das terras firmes da Amazônia

Período Quaternário
       Apresenta duração de 1 milhão de anos.
       Abrange duas épocas – Pleistoceno e Holoceno.
       No pleistoceno a Terra já é bem semelhante ao atual, porém passa por períodos de glaciação, aonde as calotas polares se estendem até as regiões próximas dos trópicos (períodos conhecidos como "eras do gelo"), intercalados por períodos mais quentes. A última dessas "eras do gelo" terminou em torno de 12.000 anos atrás dando início ao Holoceno, que é a atual época em que vivemos atualmente, e extinguindo os animais que se adaptaram a viver com essas eras do gelo.
                              
Homem
       Datam do Pleistoceno os mais antigos restos do homem (cerca de 450.000 anos). Acredita-se que o mais antigo deles seja o Homo heidelbergensis.
       No Pleistoceno inferior vivem hominídeos vários: Australopithecus, da África do Sul; Pithecanthropus erectus ou homem de Java; Sinanthropus pekinensis ou homem de Pequim.
Período Quaternário no Brasil
       No Brasil, verifica-se a sedimentação final do Pantanal Mato-grossense, a formação do litoral do Rio Grande do Sul e da Bacia Sedimentar de Curitiba

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário